Entenda o caso de Amanda Todd, a adolescente que cometeu suicídio por sofrer bullying

A garota é mais uma vítima do bullying

Amanda Todd
Foto: Reprodução

Se você esteve ligada nas redes sociais e nos programas de notícias, já deve estar por dentro do – infeliz – caso da adolescente Amanda Todd. A garota, que tinha apenas 15 anos, cometeu suicídio em outubro de 2012. O que motivou para ela tomar essa atitude? O bullying e o cyberbullying que sofreu dos colegas de escola.

Entenda como tudo aconteceu

Amanda tinha 12 anos quando tudo começou. Ela estava numa sala de bate-papo com amigos, conhecendo e conversando com outros usuários. Ela recebeu diversos elogios dos garotos e foi induzida a mostrar partes de seu corpo.

Amanda Todd

Foto: Reprodução

Um ano depois,  uma pessoa que estava no chat entrou em contato com Amanda pelo Facebook e disse que se ela não “fizesse um show para ele”, ele iria mostrar os prints (da tela do bate-papo) para amigos e familiares de Amanda. Essa pessoa ainda chegou a persegui-la. Ele sabia de tudo: onde ela morava, onde passava as férias, quem eram seus amigos…

As fotos foram enviadas para todos e, então, Amanda começou a adoecer: ela sofria com ansiedade, depressão e pânico. E assim, passou a usar drogas e álcool. Um ano se passou e o “bully” de Amanda voltou: ele criou uma página no Facebook onde a foto do perfil eram os seios dela.

No vídeo em que fez para contar sua história, Amanda disse que “chorava a noite toda, perdi todos os meus amigos e o respeito deles”. Ela sofria com os xingamentos, os julgamentos e sofria ainda mais por não poder tirar aquelas fotos da internet. Com tanta tristeza e se sentindo pressionada, Amanda passou a se automutilar.

Ela mudou de escola e ficava sozinha, todos os dias. Até que, depois de um mês, ela conheceu um garoto mais velho. Ele disse que estava gostando dela, mesmo tendo uma namorada. Ela foi iludida e acabou se envolvendo com o menino.

A namorada, junto com outras 15 meninas foram tirar “satisfação” com Amanda e a humilharam em frente a escola. Além disso, ela também sofreu agressões físicas desse grupo de colegas. “Algumas crianças filmaram tudo. Eu estava completamente sozinha e deixada no chão”, disse Amanda em seu vídeo-depoimento.

Amanda voltou para casa e tentou se matar tomando alvejante. Depois de ser internada e voltar para casa ela passou a receber mensagens de ódio como “Ela merece!” e “Espero que ela morra!”.

Video Depoimento Amanda Todd “Eles diziam: eu espero que ela veja isso e se mate.” -Foto: Reprodução

Amanda se mudou para a casa da mãe. Seis meses se passaram e pessoas ainda enviavam fotos de alvejantes e produtos de limpeza para Amanda. “Eu sei que errei, mas por que eles continuam me perseguindo? […] Todos os dias eu me pergunto: por que ainda estou aqui?” a garota se questionava.

Amanda ainda teve overdose por ingerir remédios antidepressivos. Há uma semana, o corpo da garota foi encontrado. Ela havia se enforcado.

Homenagens para Amanda Todd

Uma página memorial foi criada no Facebook para a adolescente e pessoas de todos os cantos estão prestando homenagens à Amanda escrevendo recados e postando nas mais diversas redes sociais.

Pagina do Facebook em homenagem à Amanda Todd

Amanda Todd também foi assunto abordado no trending topic do Twitter durante o final de semana e vários vídeos sobre a morte de Amanda foram postados no YouTube. Não teria sido melhor apoiar e ajudar Amanda enquanto ainda estava viva? Como a própria garota disse, ela estava se sentindo sozinha.

Video Amanda Todd “Eu não tenho ninguém. Eu preciso de alguém.”

Qual é a opinião de vocês sobre tudo isso? Conta pra gente nos comentários. E vamos – cada dia mais – lutar para que esse tipo de violência acabe!


Para ler mais sobre o assunto, leia nossa matéria sobre bullying.

Uma resposta para “Entenda o caso de Amanda Todd, a adolescente que cometeu suicídio por sofrer bullying”

  1. Nayara disse:

    É bem triste, mas as homenagens que estão fazendo para ela, não adianta mais, pois a fatalidade já aconteceu. O que se deve fazer é conversar sobre esse assunto nas escolas, em casa, pois muitos pensam em se suicidar, portanto, essas pessoas precisam de ajuda, apoio, orientação.Não devemos julgá-las por se sentirem sozinhas, rejeitadas, ou seja lá o que for que estejam sentindo. Não devemos criticar os erros que cometeram, pois aliás todos cometem erros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Próxima notícia