A vagina muda de tamanho? Descubra essa e outras curiosidades!

Ela muda de cor e cheiro? Corrimento é normal? Respondemos essas e outras dúvidas!

curiosidades sobre a vagina
Foto: iStock e Sabrina Bigella

Muitas meninas ainda encaram os assuntos relacionados à sexualidade como tabu, mas é muito importante você conhecer seu próprio órgão genital. Só assim conseguimos evitar problemas de higiene e entender melhor o nosso corpo. Por isso, com a ajuda do Dr. Alexandre Pupo, ginecologista, separamos algumas curiosidades sobre a vagina que você precisa saber para se familiarizar com ela.

Confira 10 curiosidades sobre a vagina:

A vagina é apenas uma genitália?
“O órgão genital feminino é composto por uma parte externa e outra interna. Os lábios maior (que fica mais para fora) e menor (que fica mais para dentro) e o clítoris são parte da vulva. A vagina se inicia na membrana do hímen e é o tubo que vai até se juntar ao colo do útero. O fundo da vagina é “grudado” nessa estrutura chamada colo do útero que tem a forma de um cilindro grosso e que tem um pequeno canal no meio dele que o conecta a parte de dentro do útero, chamado de canal endocervical ou apenas cervical”, explica o Dr. Alexandre.

Existem vários tipos e tamanhos de vagina?
Não. A vagina é sempre igual. Um tubo levemente curvado e mole, elástico e rugoso. O que pode variar é a extensão dele que é considerado normal entre 10 e 16cm. A parte externa é que pode ser variável com lábios da vulva, ela pode ter tamanhos e formatos diversos.

A vagina aumenta de tamanho?
Não. Isso é lenda. A largura e tamanho não mudam. O que ocorre é que, com a menopausa (quando a mulher para de produzir hormônios sexuais femininos), essas estruturas (vulva e vagina) atrofiam e ficam mais finas e “murchas”.

curiosidades sobre a vagina

Foto: iStock

Ela muda de cor?
A vagina tem cor rósea por dentro, ficando mais pálida e amarelada quando vem a menopausa. Ela fica avermelhada e inchada quando tem infecção e arroxeada e inchada quando se está grávida.

O que é corrimento? É normal ter?
A vagina é naturalmente úmida e uma discreta secreção amarela é comum no forro da calcinha ao final do dia.
O corrimento é um nome médico dado para o fluxo relacionado a infecções genitais como candidíase (fungo), vaginose bacteriana e outras. Cada uma das doenças tem um corrimento de aspecto típico.
A candidíase causa corrimento com aspecto de leite talhado e coceira, às vezes provoca inchaço da vulva e ardências com vermelhidão.
A vaginose bacteriana é um distúrbio de flora vaginal (a vagina contém diversos micro-organismos) com crescimento exagerado de uma bactéria que causa odor fétido quando em contato com esperma e sangue, tem corrimento amarelado e ardências com vermelhidão.
A gonorreia causa corrimento amarronzado normalmente associado a febre e muita dor pélvica.
Outros corrimentos como branco, bolhoso e esverdeado também podem ocorrer.
Qualquer corrimento deve ser investigado pelo ginecologista e tratado conforme a necessidade.

É verdade que dormir sem calcinha faz bem?
Sim. Abafar a vagina aumenta riscos de infecção e distúrbio de flora.

Como deve ser feita a limpeza da vagina?
A limpeza deve ser apenas externa com sabonete neutro e sempre de frente para trás para não trazer bactérias do ânus para a vagina, o que causaria infecção.

curiosidades sobre a vagina

Foto: iStock

A vagina tem odor?
A secreção vaginal tem um leve odor metálico. A virilha sua, como fazem as axilas, e pode deixar um cheiro semelhante se ficar muito abafada. Para evitar isso, use calcinha de algodão e roupas leves e folgadas.

É importante fazer exercícios para fortalecer a região pélvica? Por quê?
Exercícios perineais ajudam a fortalecer a musculatura da área em torno e melhorar as condições do parto normal e para evitar incontinência urinária na pós menopausa.

Quais são os principais cuidados que se deve ter com a vagina?
É importante deixar ela “respirar”, quanto menos abafada melhor. Usar calcinhas com tecido que permitem a transpiração e que sequem facilmente, usar roupas leves e folgadas, usar sabonete neutro e evitar lavar a parte interna para não alterar a flora vaginal normal. Sempre evitar contato com conteúdo da região do ânus para não causar infecção. Usar camisinha para evitar doenças transmissíveis e corrimentos. Quando urinar, apenas secar, evite raspar a vagina e uretra com o papel higiênico.


Consultoria: Dr. Alexandre Pupo, ginecologista do Hospital Sírio Libanês

Os comentários estão desativados.