Conheça Gloria Groove: drag queen, rapper, orgulho LGBT+ e puro poder

Em entrevista exclusiva, a cantora fala sobre sua trajetória e mostra que veio para ficar

Gloria Groove
Foto: Divulgação/Instagram

Prepara, menina, porque chegou a vez de Gloria Groove brilhar! Aos 23 anos, a diva é uma mistura totalmente única no cenário musical brasileiro. Afinal, quando é que você imaginou encontrar uma drag queen poderosa e cintilante cantando rap, universo predominantemente masculino?

Nascida como Daniel Garcia e criada na Vila Formosa, zona leste de São Paulo, a cantora é um verdadeiro hino, dentro e fora do meio LGBTTQI+. Diferentemente de outras drags, ela canta de verdade (não faz apenas lip sync), e, nas letras de tom autobiográfico, fala de militância, cultura e autoestima.

Resultado de imagem para Gloria Groove gif

Gloria Groove é dona da festa toda! Marcou presença no quadro “Jovens talentos” do “Programa Raul Gil”, trabalhou como vocalista do “Balão Mágico” na formação de 2006, integrou o elenco da novela “Bicho do mato” na Record, dublou séries como “Hannah Montana” e “Power Rangers”. Um sucesso, né?

Músicas como “Bumbum de Ouro“, “Moleque Brasileiro”, “Império” e “Dona” são algumas de suas músicas que bombam nas plataformas digitais. No YouTube, a gloriosa conta com mais de 30 milhões de visualizações. Ou seja, puro poder!

Olha só que arraso esse bate-papo lacrador da todateen com a diva Gloria Groove:

tt: A música sempre esteve presente em sua vida?

GG: Sempre! Minha mãe é cantora, minha tia também, meu tio é sambista, meu avô era músico-pianista… pode-se dizer que cresci num ambiente muito musical.

tt: Seu estilo musical mudou no decorrer da sua carreira. Como foi essa transição, principalmente do gospel para o trabalho como drag?

GG: Uma coisa não se deu logo após a outra. Desde que saí da igreja me envolvi com teatro musical, experimental, fiz backing vocal pra grandes artistas como Elza Soares e Mitch Winehouse, e daí sim começou a subida enquanto Gloria. Sempre amei o pop e faço questão de trabalhar a versatilidade  musical. As possibilidades são infinitas.

tt: O que a música representa na sua vida?

GG: A música é o motivo pra que eu hoje me veja enquanto um adulto capaz de criar suas próprias oportunidades e ajudar a mudar o mundo. É a ferramenta que eleva meu espírito todos os dias. “Bumbum de Ouro”, última faixa lançada, sem dúvidas foi meu maior trabalho até hoje e sou muito grata por poder amadurecer através de algo que as pessoas gostaram tanto. A intenção com esse som sempre foi que ele estivesse na rua embalando a felicidade do público.

tt: De onde surgiu a inspiração para o nome da sua drag?

GG: Sempre soube que queria ser GG pois são as iniciais da minha mãe. Tirei “Gloria” do meu tempo de relacionamento com a igreja evangélica,  e o “Groove” veio mais tarde, assimilando algumas referências, numa época em que trabalhava como backing vocal. Quando cheguei ao nome de fato, pensei “eu não poderia ser outra coisa”!

tt: Qual a importância do seu trabalho para a visibilidade de grupos LGBTQ+?

GG: Ser uma figura pública e um artista do mercado fonográfico enquanto homem assumidamente gay e drag queen, é algo que  não só eleva a cultura da minha comunidade, mas também reafirma nossa existência. É o poder de existir e resistir através da arte audiovisual, que é minha grande paixão.

tt: Você ainda enxerga uma resistência da indústria musical brasileira sobre o trabalho das drags?

GG: Com certeza. Não me deixo enganar pelo maravilhoso espaço que existe hoje para o nosso trabalho, pois sei que o caminho até aqui foi tortuoso e difícil. Não considero uma luta vencida. Considero uma luta que acaba de se iniciar, agora que temos de fato uma plataforma.

Resultado de imagem para bumbum de ouro gif

tt: Hoje, quais são suas influências e inspirações na hora de compor uma nova canção?

GG: Sou influenciado por uma série de coisas desde palavras que acho interessante ou figuras de linguagem, até simples melodias que acabaram visitando meu ouvido e querem ser transformadas em palavras. Ultimamente tenho buscado mais referências fortes no imaginário do brasileiro consumidor de música pop.

tt: Qual sua relação com os fãs? Lida bem com os haters ou críticas nas redes sociais?

GG: Tenho uma relação de extremo carinho e respeito mútuo com meus fãs pois eles sabem que nada disso seria possível sem a vida deles pra validar a minha, e vice-versa. Quanto aos haters, sinto que desempenham um papel imprescindível pra que eu decole.

tt: Ficamos sabendo que está trabalhando numa nova música com a Lexa. Existem outras parcerias vindo por aí? O que podemos esperar para 2018?


GG: Fora a parceria com Lexa, temos confirmadas em 2018 também com Mulher Pepita, Kafé, Cleo Pires e Leo Santana. Só gente incrível que eu amo.

Agora que já sabe vários babados sobre Gloria Groove, nada melhor do que conhecer suas curiosidades:

Os comentários estão desativados.