Fale conosco

O que vc está procurando?

Busca

Celebs

Exclusivo: Urias fala sobre novo single, “Foi Mal”, e preparação para seu primeiro álbum!

Exclusivo: Urias fala sobre novo single, “Foi Mal”, e preparação para seu primeiro álbum!
Exclusivo: Urias fala sobre novo single, “Foi Mal”, e preparação para seu primeiro álbum!

Urias é uma artista multifacetada. Após ter lançado seu primeiro EP, “Urias”, em 2019, a cantora seguiu na preparação do seu primeiro álbum com o lançamento de “Racha” e recentemente, na última segunda-feira (22), “Foi Mal”.

“Desculpa esse ter que ser o nosso fim, só cuidei de mim”: com letras mais reflexivas, é assim que Urias define o novo single. A faixa, que flerta com o gênero R&B, foi produzida pela Brabo Music, conhecida por trabalhos com Pabllo Vittar, da qual é bem amiga.

Em entrevista exclusiva à todateen, a artista falou mais sobre o processo criativo da música, como tem sido produzir em meio ao isolamento social e realizar a direção de arte do seu último clipe!

Confira!

todateen: “Foi Mal” traz uma vibe R&B, que é uma sonoridade diferente da que você explorava em outros trabalhos, como em “Racha”, por exemplo. Tentar algo novo foi difícil para você?

Urias: Sendo sincera, eu fiquei bem nervosa! Sempre quis trazer coisas novas, sabe? Mas não tinha ideia de como o público receberia a música. Inclusive, quem me encorajou bastante, foi o DJ Gorky, um dos produtores da faixa. Ele sempre dizia: “Nossa, isso tá muito bom! Tem que ser seu próximo single!”, então eu só fui, essa era a única forma de saber! Fiquei muito feliz quando vi o pessoal gostando, no dia do lançamento!

tt: Quais foram as suas referências para a música?

U: Eu cheguei para os meus produtores com um pouco da letra, que contava sobre uma experiência que tinha acontecido comigo, e eles trouxeram as suas próprias referências a partir disso. Eu queria que fosse um R&B, mas ao mesmo tempo, que não soasse como os do início dos anos 2000. A gente buscou um ar atual, mais tecnológico e que ao mesmo tempo não interferisse na sonoridade original.

tt: Você assinou a Direção de Arte do clipe! Foi um processo difícil, ainda mais com as restrições impostas pelo COVID-19?

U: Eu sou uma pessoa que pensa alto, mesmo sabendo que tudo vai precisar ser ajustado depois [risos]. Neste clipe eu já sabia que menos era mais, que precisávamos envolver menos pessoas. É tudo meio doido, porque é como se estivéssemos pisando em um chão que não está tão sólido. Você não sabe como as coisas vão funcionar, como o single vai ser distribuído, não dá para fazer show… é tudo muito incerto.

tt: Como têm sido criar músicas durante o isolamento? Você se sente inspirada? Se cobra demais?

U: Na verdade, para fazer as músicas, eu sempre ia para o estúdio. Então, eu já colocava na cabeça que estava indo para lá e que algo precisava sair disso; alguma melodia, algo novo pronto. Em casa é bem mais complicado porque tenho que me fechar no quarto e criar uma vibe legal para ficar inspirada. Mas no geral, o processo criativo de “Foi Mal” foi bem colaborativo, fizemos quase tudo por chamadas de vídeo e só fui para o estúdio na parte final, para gravar mesmo.

tt: Você irá lançar seu primeiro álbum ainda neste ano. O que a gente pode esperar dele? Será parecido com o seu EP, “Urias” (2019), ou você quer experimentar outras coisas?

U: Quando decidi fazer um álbum, eu tinha tudo muito definido na cabeça. Mas com o tempo, as coisas foram acontecendo, os caminhos mudando e a gente foi adaptando tudo. Sinto que é um álbum sobre descobrir o que sou capaz de fazer, já que tenho feito várias coisas que não sabia que conseguiria, tanto nas composições, quanto nos vocais. O álbum terá ritmos diferentes justamente por isso, mas não será um conjunto de singles; será um álbum, com conceito, conexões e uma história central.

tt: Terão mais músicas até o lançamento?

U: Sim! Estamos planejando lançar mais uma, também diferente do que fizemos em “Racha” e “Foi Mal”. Quero me jogar!

tt: Há alguma data em mente para o álbum?

U: Ainda iremos soltar mais essa música, agora pelo primeiro semestre, para só então virmos com o álbum. Irei lançá-lo em duas partes, uma junto desse single e a outra, final, no segundo semestre.

tt: Que mensagem você está buscando passar com esse novo trabalho?

U: Eu sempre penso muito nisso, mas acho que só de eu estar fazendo um álbum, já é uma grande mensagem. Quis falar de coisas que eu sinto, brincar com a falta de naturalização do meu corpo e tudo que isso gera.

tt: Você também se dá muito bem com moda. Já pensou em conciliar isso com a carreira musical?

U: Muito, com certeza! A moda sempre me acompanhou, sempre esteve aí. Eu nunca penso em sair desse meio, faz parte de mim.

tt: Estamos passando por uma época, onde, mais do que nunca, a arte é extremamente necessária. Como é representar a comunidade LGBTQIA+, durante esse período?

U: Eu quero normalizar a gente, sabe? Não é por ser uma pessoa trans, que eu tenho que ser o ícone das pessoas trans, e só. Temos muitas, várias de nós; Jup do Bairro, Ventura Profana, LinikerLinn da Quebrada, As Bahias, cada uma fazendo a sua arte! Quanto mais gente nos ver ocupando e passando por vários lugares, questionando e fazendo diversas coisas, mais seremos normalizadas, ainda mais agora que as pessoas só podem se ver por meio da tela de aparelhos eletrônicos.

por Brian Camargo

Mais notícias para você

Entretenimento

Cantora se apresentaria no último dia de festival, mas cancelou seu show nesta segunda-feira (27)

Entretenimento

Dove Cameron, Jaden Smith, Rina Sawayama e Paramore estão fora do festival de 2024

Entretenimento

Vem entender essa briga que movimentou o mundo do rap nas últimas semanas

Entretenimento

Usher se apresenta neste domingo (11)